Escritos
B. Piropo
Jornal o Estado de Minas:
< Coluna Técnicas & Truques >
Volte de onde veio
04/08/2005
< Gerenciando dispositivos >

Quando pensamos em Windows, a primeira coisa que nos vem à mente é a chamada “Área de trabalho”. Mas ela é apenas a “interface gráfica” que permite que nós, humanos, nos comuniquemos com o sistema. Mas Windows é muito mais que isso, é um programa complexo que funciona como intermediário entre os humanos, a máquina, os programas e todos os dispositivos instalados. E esta última tarefa talvez seja a mais difícil.

Pois acontece que em qualquer máquina, mesmo a mais simples, há dezenas de dispositivos “pendurados”. Que vão dos simples teclado e mouse até coisas mais complicadas como mesas digitalizadoras e adaptadores para redes sem fio. As possibilidades atingem à casa das centenas, talvez milhares, de componentes de hardware, com finalidades diversas, fabricados por diferentes indústrias, com distintos graus de complexidade, todos eles disputando ou compartilhando os mesmos recursos da máquina e do sistema operacional e sujeitos a travamentos ou mal funcionamento. Pensando bem, é quase um milagre que a coisa funcione. E só funciona graças à genialidade de quem concebeu o uso dos “drivers”.

Pois o sistema operacional deve “traduzir” a comunicação entre a máquina e seus programas em algo que ambos “entendam”. Para que isso ocorra, Windows padroniza as trocas de informações com todos os periféricos, impondo normas que devem ser seguidas pelo sistema e pelos periféricos.  E admite que, ao se ligar a máquina, sejam carregados programetos que se incorporam ao próprio sistema operacional contendo as rotinas que permitem a comunicação com cada um dos dispositivos instalados. Esses programetos são os drivers. Um conceito que traz embutidas duas vantagens formidáveis. A primeira é que, se amanhã eu inventar um periférico inteiramente novo, digamos, uma máquina digital de desentortar bananas, posso conectá-la diretamente a qualquer computador que rode Windows desde que desenvolva um driver para ela consoante às normas e padronizações estabelecidas por Windows. Esse driver adicionará ao sistema operacional as rotinas necessárias à comunicação com meu novo periférico e fará com que ambos se comuniquem como se fossem velhos conhecidos. A segunda: durante a inicialização, Windows inspeciona o sistema e apenas instala os drivers necessários à comunicação com os periféricos efetivamente instalados, o que torna o sistema mais leve.

Acontece que da mesma forma que os drivers são a solução quase miraculosa que permite que Windows se comunique com uma infinidade de periféricos, eles podem também se tornar uma fonte inesgotável de problemas. Basta que o driver não seja o mais adequado para o dispositivo, que tenha sido desenvolvido com algumas imperfeições (lembre que na maioria das vezes os drivers são desenvolvidos por terceiros, por conta do fabricante do periférico) ou que esteja desatualizado.

Essa última hipótese é a mais comum, especialmente nos casos de dispositivos das marcas mais populares, cujos fabricantes estão sempre desenvolvendo novas versões de drivers para seus periféricos. Então como saber se estamos usando o driver mais atual?

Clique e amplie...
Figura 1

Simples. Primeiro, visite o sítio da Internet do fabricante do periférico e pesquise qual a versão mais atual do driver disponível para ele e anote seu número. Depois, clique com o botão direito sobre o ícone “Meu computador”, acione a entrada “Gerenciar” e na janela “Gerenciamento do computador” clique em “Gerenciador de dispositivos” (se você usa Windows 98 encontrará o Gerenciador de dispositivos no objeto “Sistema” do Painel de Controle). Você verá a lista de dispositivos instalados. Localize o dispositivo desejado na lista e execute um duplo clique sobre seu nome para abrir sua janela de Propriedades e passe para a aba “Driver”. Lá você não somente encontrará todas as informações sobre o driver (inclusive o número da versão, veja na figura a linha “Versão do driver”) como meios de substituí-lo caso esteja desatualizado. Basta transferir (“baixar”) o arquivo do novo driver do sítio do fabricante para a sua máquina, clicar no botão “Atualizar driver” e seguir as instruções do “Assistente para atualização do Hardware” que então se abre.

B. Piropo


URL: http://www.bpiropo.com.br
Copyright Benito Piropo Da-Rin
WebMaster:
Topo da Página
Atualizada em
(MM/DD/AA) + Hora
Wagner Ribeiro ]