Escritos
B. Piropo
Internet:
< Coluna em ForumPCs >
Volte de onde veio
29/08/2005
< Computadores portáteis: >
<
um pouco de história
>

Esta é mais uma coluna fora da série sobre computadores que visa cumprir a promessa de interrompê-la de quando em vez para quebrar a monotonia. Seu assunto será “computadores portáteis”.

O que me levou a escrevê-la foi minha recente participação no último Intel Developers Forum, em San Francisco, EUA. Lá, sobretudo nas fileiras da frente, reservadas à imprensa, poucos eram os participantes que não tinham no colo um pequeno computador. E não me refiro aos computadores de mão como os da linha Palm, conhecidos como “palmtops computers” ou PDAs (Personal Digital Assistant). Eram micros do tipo “notebook”, com tela colorida de alta definição, alguns de grande poder de processamento apesar do pequeno porte e quase todos ligados através de conexões sem fio ao ponto de presença (“hot spot”) de rede WiFi que a Intel instalou no Moscone Center, onde se realizou o IDF.

Eles estavam em toda a parte. Na sala de imprensa, onde há alguns anos os micros de mesa instalados pelo anfitrião eram objeto de acirrada disputa para editar e enviar artigos, sobravam terminais. Razão: a maioria dos jornalistas levava seu próprio micro portátil e se conectava à Internet através da rede WiFi. Era a constatação do reinado dos notebooks. Uma constatação que se confirmou durante uma das apresentações do evento, onde se mencionou que em alguns países, especialmente Japão e EUA, as vendas desses micrinhos já ultrapassam as dos computadores de mesa.

Mas como começou essa febre? Quando nasceu a idéia de um computador portátil?

Curiosamente, embora a história dos computadores portáteis seja coisa do passado recente, não há consenso sobre qual teria sido o primeiro modelo. Mas sítios especializados como About ( < http://about.com/ >) e How Stuff Works ( < http://computer.howstuffworks.com/ >) apontam o Grid Compass, projetado em 1979 por William Moggridge para a Grid Systems Corporation como um possível pioneiro.

Consta que o Grid Compass foi concebido para ser usado pela NASA nas primeiras expedições espaciais. Faz sentido: seu gabinete, de liga de magnésio, era extremamente resistente. O modelo original tinha 256 KB de memória tipo “bubble memory” (um tipo de memória magnética onde cada bit era gravado magnetizando em um determinado sentido uma superfície recoberta com uma fina camada magnética; a magnetização era feita por um campo circular, o que fazia com que o ponto magnetizado se assemelhasse a uma bolha, de onde derivou o nome) que, sendo não volátil, funcionava de forma semelhante à dos discos rígidos atuais. A tela era plana, de plasma.

Figura 1: vista lateral do Grid Compass

O formato se assemelhava vagamente ao dos computadores portáteis modernos. Mas como não usava bateria e só funcionava ligado à uma tomada de energia, discute-se se ele poderia ser considerado um micro verdadeiramente portátil. Você encontrará mais informações sobre ele no sítio < http://www.total.net/~hrothgar/museum/Compass/ >, onde foram obtidas as figuras 1 e 2.

Figura 2: vista frontal do Grid Compass

O primeiro computador que usava bateria, embora opcional, foi o Osborne 1, comercializado em 1981 pela Osborne Computer, de Adam Osborne. Apesar do peso relativamente grande ( 24 libras, ou cerca de 11 kg, enorme para os padrões atuais) seu fator de forma não deixa dúvidas que ele foi concebido para ser transportado. O que pode ser facilmente verificado na Figura 3.

Figura 3: Osborne fechado, pronto para transporte

Sua pequena tela (cinco polegadas, do tipo CRT) exibia apenas 24 linhas de 52 caracteres cada. Apesar disso, foi o primeiro computador a trazer software integrado: vinha com o editor de textos WordStar, a planilha SuperCalc, o banco de dados DBase II e uma modalidade de BASIC, a linguagem de programação mais popular da época (comentário à margem da coluna: hoje em dia, só se encontra exemplares do Osborne 1 em museus de computadores; eu mesmo não cheguei a usar um deles, mas como fui usuário de todos os seus programas, melhor me cuidar antes que eu mesmo vire peça de museu...) Seu processador era um Zilog Z80 de oito bits. Você encontrará mais informações sobre o Osborne na página < http://oldcomputers.net/osborne.html >, onde foram obtidas as fotos das Figuras 3 e 4.

Figura 4: Osborne aberto, pronto para uso

O problema é que embora podendo usar bateria, o Osborne 1 era usado normalmente ligado à tomada. Eu diria que, em vez de portátil, ele seria melhor classificado como “carregável”, ou “transportável”, já que seu peso afetava bastante sua portabilidade.

Figura 5: Epson HX-20

Houve outras tentativas de fabricar computadores portáteis, mas nenhum deles se assemelhava aos modernos notebooks. Como o Epson HX-20 de 1981 (ver Figura 5, obtida em < http://oldcomputers.net/hx-20.html >) com dois processadores 6301 fabricados pela própria Epson (mas que, em conjunto, equivaliam a um 6800 da Motorola), alimentado a bateria e usando uma minúscula tela de cristal líquido com 4 linhas de 20 caracteres cada. Seu dispositivo de armazenamento era um gravador cassete externo (havia um driver de disquetes opcional).

Figura 6: Radio Shack TRS-80 Model 100

Ou o TRS-80 Model 100 fabricado em 1983 pela Radio Shack (ver Figura 6, obtida em < http://www.computercloset.org/TRS80Model100.htm >), com apenas 4 KB de memória (mas que poderia ser expandida até 24 KB!!!), tela de cristal líquido com 8 linhas de 40 caracteres, alimentado a bateria, com um drive de disquetes de 3,5 polegadas e também equipado com um Zilog Z80. Ou ainda o IBM 5155 de fevereiro de 1984, que adotava o mesmo fator de forma do Osborne 1. Mostrado na Figura 7 (obtida em < http://www.homecomputermuseum.de/comp/98_de.htm >), foi o primeiro computador portátil de 16 bits (vinha com um processador Intel 8088). Usava uma tela CRT de fósforo âmbar e nove polegadas, um drive de disquetes de 5,25 polegadas, mas não vinha com baterias nem as aceitava como opcional. Era portátil apenas porque foi concebido para ser transportado com alguma facilidade.

Figura 7: IBM 5155 aberto, pronto para uso

O primeiro computador portátil com um aspecto semelhante ao dos exemplares mais recentes foi o Compaq SLT/286 lançado em 1988. Ele pode ser visto, aberto e fechado, nas Figuras 8 e 9 (obtidas em < http://philippe.legrand10.free.fr/sasfepu/compaqslt286.html >). Era um verdadeiro computador de 16 bits, já que vinha equipado com o processador Intel 80286, operando em 12 MHz e alimentado a bateria.

Figura 8: Compaq SLT/286 fechado

Trazia 640 KB de memória RAM, um drive de disquetes de 3,5 polegadas e foi o primeiro entre os portáteis a dispor de um disco rígido, de 20 ou 40 MB conforme o modelo. E trazia uma tela VGA de 640 x 480 pixels. Seria um forte candidato ao posto de primeiro portátil moderno não fora por seu peso excessivo: seis quilos e meio, uma barbaridade para se carregar por muito tempo.

Figura 9: Compaq SLT/286 aberto

O que me parece ter sido o pioneiro daquilo que se poderia classificar como “laptop computer”, ou seja, um computador que pode ser operado confortavelmente no colo do usuário, sem dúvida foi o NEC Ultralite lançado em 1989.

Figura 10: NEC Ultralite aberto

O NEC Ultralite se encaixava realmente no conceito moderno do que vem a ser um computador portátil. Alimentado a bateria recarregável, pesava menos de 2 kg. Seu fator de forma era exatamente o mesmo dos notebooks modernos, apenas o tamanho era ligeiramente superior ( 30 cm x 21 cm x 3,6 cm), Mesmo assim, há modelos modernos de alto desempenho maiores do que ele (veja-o nas Figuras 10 e 11, respectivamente aberto e fechado, fotos obtidas em About < http://inventors.about.com/ >).Vinha equipado com uma CPU NEC V30 (equivalente a um Intel 8086), 640 KB de memória RAM e uma tela de cristal líquido de 9,5 polegadas com 640 x 200 pixels em modo gráfico. Não tinha disco rígido, mas trazia uma memória não volátil de 2 MB que prestava a mesma função. E, evidentemente, um drive para disco flexível de 3,5 polegadas como opcional. E, inaugurando a fase de comunicações nos micros portáteis, trazia um modem interno. De 2.400 bps, é verdade, mas não esqueçamos que nos anos 80 essa era taxa perfeitamente aceitável.

Figura 11: NEC Ultralite fechado

Se o NEC Ultralite foi ou não o primeiro computador a ser considerado “laptop”, não sei. Mas sei que foi o primeiro a fazer sucesso. Um sucesso de vendas tão estrondoso que praticamente todo fabricante de computadores adotou o mesmo fator de forma (que perdura até hoje) e passou a produzir modelos equivalentes.

Desde então os progressos foram extraordinários. Hoje, os micros portáteis modernos ou são muitíssimos menores e mais leves que o NEC Ultralite (o que cunhou o nome “notebook”, por serem mais ou menos do tamanho de uma agenda de mão) ou extraordinariamente mais poderosos. Isso sem falar nas telas coloridas de altíssima resolução e na capacidade de comunicação sem fio que praticamente todo modelo atual traz integrada.

Mas que o NEC Ultralite foi o precursor de uma nova era, isso não há como negar.

Comentários dos Leitores

B. Piropo


URL: http://www.bpiropo.com.br
Copyright Benito Piropo Da-Rin
WebMaster:
Topo da Página
Atualizada em
(MM/DD/AA) + Hora
Wagner Ribeiro ]