Escritos
B. Piropo
Internet:
< Coluna em ForumPCs >
Volte de onde veio
28/05/2007
< Notícias e Via Voice >

Esta é uma coluna sobre informática e não um muro de lamentações. Por outro lado, aqueles que vinham acompanhando a série de colunas sobre computadores têm o direito de saber por que razão ela foi tão bruscamente interrompida. Por isso resolvi prestar contas do que vem acontecendo comigo ultimamente.
É certo que aqueles que leram a coluna < http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=207671 > “o cacto e a pélvis” custarão a crer no que vou relatar. Mas assim é a vida e é assim que ela tem me tratado.

Em 30 de junho de 2007, há pouco menos de um mês, eu vinha me recuperando rapidamente das fraturas na pélvis causadas pelo acidente sofrido em abril e relatado na coluna citada. Havia acabado de receber autorização médica para deixar a cadeira de rodas e começar a me movimentar de andador. Era um sábado e eu recebia a visita de minha enteada, seu marido e meu neto. Para não prender em casa um dia inteiro uma criança de seis anos decidi almoçar fora. Dadas as minhas limitações, escolhi um restaurante próximo à minha casa. Tão próximo que era praticamente em frente.

E assim foi feito. Descemos, eu de cadeira de rodas, que confiança para sair de andador ainda não tinha, acompanhado de minhas visitas. Sentamo-nos em uma mesa de calçada e fizemos nosso pedido. Eu ainda estava aguardando ser servido quando ouvi um ruído característico de “batida” de carro em minhas costas e me vi subitamente arremessado para frente com cadeira de rodas, mesa e tudo o que estava em volta de mim.

Figura 1: Local após acidente.

Encurtando uma história longa e desagradável: uma senhora, dirigindo um carro automático, havia perdido o controle do veículo e invadido o restaurante levando de roldão tudo o que encontrou pela frente. Inclusive a mim, minha enteada, seu marido e meu neto. A Figura 1 (desculpem pela má qualidade, foi a melhor que consegui) mostra o veículo sobre a calçada e o estado em que ficou o local. A Figura 2 mostra aquilo a que foi reduzida minha cadeira de rodas.

Figura 2: Restos da cadeira de rodas.

Justificando o velho ditado latino que afirma que deus protege os ébrios e as crianças, milagrosamente meu neto escapou ileso. Minha enteada sofreu forte pancada na cabeça e não menos forte abalo emocional. Seu marido teve duas vértebras lombares fissuradas. Ambos foram hospitalizados, já obtiveram alta e, felizmente, se recuperam bem.

Eu, por artes do destino, fui o mais afetado. Sofri fraturas na mão e úmero esquerdos, em duas costelas e no amor próprio.  Levei uma pancada fortíssima no tórax que causou hematomas, uma infiltração no pulmão direito e fortes dores no peito que me incomodam até hoje, decorrido quase um mês do acidente. A única vantagem é que não dói sempre: só quando eu respiro. Infelizmente minhas tentativas de me manter vivo sem respirar resultaram infrutíferas.
O resultado de tudo isso foi mais uma semana hospitalizado, os dois primeiros dias em uma unidade de tratamento intensivo (veja Figura 3), uma volta para casa bastante sofrida e, o que mais me incomoda por afetar minha capacidade de trabalho: a imobilização parcial do braço esquerdo em virtude da fratura do úmero. Imobilização que me obriga a digitar penosamente apenas com a mão direita.

Figura 3: Na UTI.

Escrever assim é um tormento. Dá para responder mensagem de correio eletrônico, desde que a resposta não seja longa, e escrever tópicos curtos como os que publico nos jornais Estado de Minas e Correio Braziliense. Colunas para o Fórum PCs, nem pensar.

Mais seja como for, hoje me sinto bem melhor. As dores continuam, mas são perfeitamente suportáveis. As fraturas nas costelas e na mão já não me incomodam. O acidente que resultou na fratura da bacia é coisa do passado: o médico já me deu alta e já posso caminhar com a ajuda de uma bengala para trajetos mais longos. O que realmente me incomoda é a imobilização parcial do braço esquerdo.

Mas, como eu disse, esta é uma coluna sobre informática e não um muro de lamentações. Sua finalidade não é contar para vocês minhas vicissitudes, mas mostrar como tenho tentado contornar com a ajuda de um computador os problemas delas advindos. Então vamos adiante.

Meu maior problema é a digitação. Como a mão livre é a direita, consigo manejar o mouse sem problemas e acionar os principais comandos dos programas. Mas, infelizmente, sem digitar é impossível escrever textos longos. A não ser que...

A não ser que o computador fosse capaz de entender o que eu falo.
Ora, mas ele é. O próprio sistema operacional Vista oferece o reconhecimento de fala. E esta foi minha primeira tentativa.

Infelizmente, infrutífera. Por alguma razão que só a Microsoft explica, a versão do Vista em português não incorpora este recurso. Eu teria que apelar para um programa.

Lembrei-me então que já há alguns anos tinha guardado um exemplar do programa Via Voice, da IBM, que me fora repassado para teste e que eu não tinha tido tempo de instalar. Melhor ocasião do que esta eu não iria encontrar. Resolvi então instalar o programa e testar.

Ocorre que o programa era antigo. A versão de que eu dispunha ainda era a Millennium, desenvolvida em 1999 para rodar no Windows 98. Dificilmente funcionaria no Vista. E de fato assim foi: tentei instalar mais não rodou nem com reza braba.

Felizmente o Vista oferece uma multidão de recursos para contornar incompatibilidades. Um deles, que já há algum tempo eu tinha vontade de testar, é o uso de uma máquina virtual.

Um dia, quem sabe, voltarei a falar sobre máquinas virtuais com mais vagar. Afinal, virtualização é a palavra da moda. Mas como nosso assunto hoje não este, vou me limitar às explicações indispensáveis.

Máquina virtual é exatamente o que o nome indica: um computador praticamente independente criado em um espaço da memória de outro, com seu próprio sistema operacional e programas, rodando sobre o Vista como se ele mesmo fosse um programa. Em algumas versões do Vista pode-se criar até três máquinas virtuais, cada uma com seu sistema operacional. Para isto basta baixar o utilitário virtual PC 2007 do < http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyID=04d26402-3199-48a3-afa2-2dc0b40a73b6&DisplayLang=en > sítio da Microsoft. Dependendo de sua versão do Vista, o programa é gratuito.

Decidi então baixar e instalar o utilitário, criar uma máquina virtual e nela instalar o Windows XP e Via Voice.

Assim foi feito. Instalar o virtual PC 2007 e criar uma máquina virtual foi simples. Instalar nela o Windows XP também não foi complicado. E, felizmente, o Via Voice rodou tranqüilamente sobre o Windows XP nesta nova máquina.

O Via Voice é um programa interessante. Para pessoas com necessidades especiais permanentes, pode fazer toda a diferença entre a invalidez e uma vida produtiva constituindo-se no instrumento capaz de inseri-la no mercado de trabalho. Para mim, que estou nesta condição temporariamente, se mostrou uma solução bastante eficaz.

O programa não é simples. Pede uma controladora de som de boa qualidade e deve ser instalado cuidadosamente, obedecendo criteriosamente às instruções da tela. Depois de instalado exige que se gaste algum tempo “ensinando-o” a reconhecer sua voz, suas peculiaridades de pronúncia e alguns termos usados mais freqüentemente por você que não fazem parte do dicionário do programa. Mas o tempo gasto nesta tarefa é mais do que compensador. Mesmo porque, quanto mais você dita, mais claramente o programa reconhece o que você diz. Desde que, naturalmente, você siga rigorosamente as instruções do manual, corrigindo os erros encontrados à medida que vai editando o texto e usando os recursos do próprio programa para efetuar as correções.

O Via Voice traz seu próprio editor de textos. Mais se incorpora perfeitamente nas versões 97 e 2000 dos aplicativos do pacote Office da Microsoft. E já que eu estava trabalhando em uma máquina virtual, instalei nela uma versão do Word 2000 e passei a trabalhar com o Via Voice ditando diretamente para ela. O resultado foi perfeitamente satisfatório.

Pois foi assim que esta coluna foi escrita, ou melhor: ditada. O texto, criado pelo Via Voice no Word 2000 rodando na máquina virtual, foi gravado no seu próprio disco rígido, também virtual, no formato por mim escolhido. Por questões de conveniência preferi o formato RTF. Antes de gravar usei os recursos do próprio Via Voice para corrigir eventuais erros de interpretação de fala. Depois de gravado, arrastei o arquivo diretamente da janela da máquina virtual para a área de trabalho do Vista. Em seguida o abri no Office 2007 rodando no Vista, executei a revisão ortográfica e uma ou outra alteração do texto. Só com uma das mãos, naturalmente, mas o trabalho foi pouco e não exigiu sacrifício.

Pronto. Assim recuperei parte de minha produtividade. No momento, enquanto estou me habituando com o Via Voice, não dá para produzir textos muito mais longos do que este. Mas pelo menos consegui editar uma nova coluna, prestar contas aos leitores, dar notícias minhas aos amigos e fazer alguns comentários sobre um programa interessante.

Nada mau para quem está semi-inválido...

Coluna anterior: < http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=213770 > Computadores XXXV: Métodos de acesso.

Próxima coluna: Em breve.

Comentários dos Leitores

B. Piropo


URL: http://www.bpiropo.com.br
Copyright Benito Piropo Da-Rin
WebMaster:
Topo da Página
Atualizada em
(MM/DD/AA) + Hora
Wagner Ribeiro ]